Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Eu e o mundo

As minhas impressões, opiniões e outras coisas acabadas em ões sobre o mundo, pelo menos o mais próximo de mim.

Eu e o mundo

As minhas impressões, opiniões e outras coisas acabadas em ões sobre o mundo, pelo menos o mais próximo de mim.

Não resisti - Hot Jesus!

Vá lá não sejam tão críticos (as).

Eu andei a resistir desde o domingo de Páscoa a falar sobre o Diogo Morgado e até pensei que já esta safa...

Mas entretanto no sábado passado o Hot, Hot Jesus (só um hot não chega, desculpem lá), recebeu o prémio de Homem do Ano, atribuído pela revista GQ, e eu pensei cá para comigo: "Há coisas às quais não devemos resistir...". É que até nos pode fazer mal e eu estou a entrar numa idade em que tenho de começar a tomar mais cuidado com o meu coração e com emoções fortes.

Vou-me confessar com todas as letras - EU ADOREI A SÉRIE "THE BIBLE" E O DIOGO MORGADO NA PELE DE JESUS CRISTO.

Não quero saber de críticas. 

Eu não sou nada de fés, nem coisas do género, acredito em mim e na minha força e energia para mover a minha vida. Aliás, esta falta de fé é apenas mais um dos desgostos (muitos) que tenho dado à minha progenitora. (Eu sei, mas mãe é uma palavra muito bonita, não se deve usar à toa).

Geralmente, e apesar de adorar a Páscoa, que sempre foi para mim mais uma época de família do que o Natal, não acho piada nenhuma a que venham logo as televisões com aquelas séries absolutamente secantes sobre a vida de  Jesus Cristo (que me desculpem os crentes) e essas coisas todas. Mas não tenho muita paciência para aquelas tretas todas. 

Este ano e depois de despachar o almoço de Páscoa (que levou quase três dias a preparar) alapei-me (adoro o verbo alapar, especialmente a parte prática) no sofá e entrei no maravilhoso mundo das gravações automáticas do MEO (acho que foi uma das melhores invenções da humanidade. Não vejo publicidade há meses) e comecei a ver The Bible.

E tenho de confessar (não, não me converti), que fiquei apaixonada e presa ao ecrã. 

O Diogo Morgado esteve muito, muito bem. Para além de ser giro que dói, tenho de concordar com a realizadora. Ele foi o melhor Jesus Cristo de sempre. Não estou aqui a incluir o original, claro, que na verdade não se sabe como era, se era, se esteve, se... enfim, muitos ses.

Ses à parte, este Jesus Cristo português foi fantástico e olhem que eu não sou muito impressionável, mas adorei.

Achei-o maravilhoso, tranquilo, como toda a gente acha que o original deverá ter sido e francamente convincente.

A mim convencia-me. A converter-me, claro. Estavam a pensar o quê?

Quando o vi nas fotos da festa da GQ (não percebo porque é que estas coisas nunca me calham a mim...) já com um look século XXI, pensei que tinha mesmo de pôr a minha opinião aqui. 

É que de facto há coisas a que não devemos resistir. É que podem mesmo fazer mal ao coração!!!

 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D