Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Eu e o mundo

As minhas impressões, opiniões e outras coisas acabadas em ões sobre o mundo, pelo menos o mais próximo de mim.

Eu e o mundo

As minhas impressões, opiniões e outras coisas acabadas em ões sobre o mundo, pelo menos o mais próximo de mim.

A propósito de tudo, ou de nada!

(publicado originalmente em outubro de 2011)

Costumo dizer que a melhor coisa que a minha mãe fez por mim foi atirar-me para a frente. Que é como quem diz, em vez de me dar o peixe ensinou-me a pescá-lo.
Sem grandes confusões nem palmadinhas nas costas, a minha mãe conseguiu que eu me tornasse uma criatura desenrascada e com um excelente jogo de cintura.
Começámos a saga quando entrei para a escola primária.
Nada dessas mariquices de: "Acorda lá meu amor. Tens o pequeno almoço na mesa. O lanche já está dentro da mala (eu sou do tempo em não havia mochilas). Vá lá a mãezinha ajuda-te a vestir".
Comigo foi mais do género: "Tens aqui um despertador. Funciona assim e assado. Tens que ter tempo para te levantares, vestires, comeres e chegares à escola. Hoje ajudo-te. A partir de amanhã estás por tua conta."
Ora aí está. Sem papas na língua nem travessões no cabelo.
Eu tinha sete anos e aprendi a ser responsável num instantinho.
E nunca adormeci, nem cheguei atrasada à escola, nem coisas do género.
Hoje em dia é que os miúdos chegam atrasados porque os pais apanham trânsito pelo caminho.
E também não pensem que me foram levar à escola no primeiro dia.
Para quê? Eu sabia muito bem onde era a escola.
O facto de ter apenas sete anos era um pormenor. Todos os dias me diziam que já não tinha idade para brincar com bonecas, por isso porque é que haviam de me levar à escola? Eu já era crescida.
De qualquer maneira, digo-vos já que eu também não ia querer de certeza.
Era assim do mais independente que possam imaginar. E despachada. Ah! Pois era! Despachadissima! Ainda sou.
Às vezes não dá jeito nenhum e até acho que aquelas mulheres que se fazem de inúteis são muito mais felizes. Eu sou mais do género de pegar na chave de fendas e fazer furos na parede.
Lá fui eu para a escola.
Duas semanas depois trago um recadinho para casa. A professora queria falar com a minha mãe.
- Quando eu chegar a casa conversamos.
E eu em pânico, a pensar que raio teria feito?!
Não me lembrava assim de nada, mas...
Afinal era só porque me queriam pôr na sala da segunda classe.
Acabei por fazer a escola primária em apenas três anos. Foi quando ganhei a minha fama de génio da família. Era a intelectual da ninhada.
Mais coisa, menos coisa, ainda mantenho uma certa fama. Agora é mais de estranha, mas pronto.
Chegava da escola e fazia o meu almoço. Durante um ano almocei bife com esparguete. Era tudo o que eu sabia fazer. Ainda hoje
adoro bife com esparguete. Sabe-me sempre a "sete anos de idade".

Depois comecei a cozinhar outras coisas: bife de cebolada, batatas fritas e cozidas,
arroz branco, enfim...

E aprendi a desenrascar-me na cozinha. E pelo menos sempre tive a vantagem de nunca ter a hipótese de morrer de fome, desde que haja ingredientes por perto, nem que seja um tomate, para começar uma sopa...
A minha mãe trabalhava de costura para um armazém de revenda. Uma vez por semana ia a Lisboa de autocarro entregar o trabalho da semana.
Quando eu chegava da escola, ela normalmente ainda não tinha chegado.
Aproveitava para me aventurar nas minhas primeiras costuras na máquina dela.
E ponto a ponto, aprendi a costurar.
Estão a ver aquele ditado que diz que a ocasião faz o ladrão?
Eu aproveitava a ocasião para fazer vestidos para as bonecas que tinha escondidas no quarto e com que brincava quando tinha a certeza de não ser apanhada.
Aos poucos e porque a minha mãe tinha sempre mais que fazer do que cuidar de mim, aprendi a cuidar-me sozinha.
Hoje em dia é impensável deixar uma criança de sete anos aproximar-se de um
fogão.

Eu própria, só muito tarde deixei as minhas filhas fazerem-no, até tinha medo que elas mexessem no micro-ondas, imaginem o fogão.
E mesmo agora, que a mais velha tem quase 20 anos e a mais nova 17, se estiver ao pé delas na cozinha e as vir com uma faca na mão:
-Tem cuidado com a faca!
- Mãe! A sério?! Já não tenho 5 anos, sabes?
Sei, mas sou exactamente o oposto da minha mãe em matéria coração. Por isso estou sempre com medo que lhes aconteça alguma coisa.
Elas são desenrascadas. Não morrem de fome se ficarem sozinhas. Sabem fazer o básico em casa. Mas eu adoro cuidar delas e dar-lhes mimo, por isso nem chega a ser uma obrigação. E o mesmo vale para o meu
"chatinho". Ele bem pode resmungar à vontade, que eu continuo a ter a mania que sou mãezinha de toda a gente.

Estou-me a afastar do ponto principal.
A educação que me deram.
Se eu tiver que agradecer alguma coisa aos meus pais será isso.
A capacidade de me desenrascar em qualquer situação, de nunca ficar atrapalhada e de saber fazer tudo. Bom, quase tudo. Mas sei  fazer furos, mudar lâmpadas, pneus do carro, usar uma chave de fendas ou philips tão bem como qualquer homem, empatar um anzol e fazer pontaria a molas de roupa. E acertar-lhes. Obrigada aos dois.
Ao deixarem-me crescer sozinha deram-me uma enorme capacidade de enfrentar a vida e de contornar e resolver os problemas que foram e vão surgindo pelo caminho, e até a capacidade de viver com esses problemas.
Faltou o carinho. Mas essa é outra história.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D