Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Eu e o mundo

As minhas impressões, opiniões e outras coisas acabadas em ões sobre o mundo, pelo menos o mais próximo de mim.

Eu e o mundo

As minhas impressões, opiniões e outras coisas acabadas em ões sobre o mundo, pelo menos o mais próximo de mim.

Agarrem-me que eu vou-me a ele!

Este senhor de seu nome Vítor Louçã Rabaça Gaspar tem o condão de me deixar com os nervos em franja e uma vontade quase incontrolável de o abanar de forma violenta, muito violenta, de preferência até lhe cairem os dentes, isto supondo que ele os tenha, que até hoje ninguém lhos viu!

O homem é tão irritante com aquele tom monocórdico, ou como dizia a minha filha quando ainda não dominava bem o vocabulário, monocromático.

É que já não chega nunca ter rigorosamente nada de bom para dizer que ainda por cima tem de o dizer da frma mais enjoativa possível.

O tom de voz absolutamente monótono parece-me estratégia. É possível que ele pense que se falar de forma pausada e coloquial as pessoas acabem por adormecer e não liguem ao que ele vai debitando nos nossos rapados orçamentos.

Começo a achar que o povo devia fazer uma vaquinha para lhe oferecer um pacotinho de chá de ginseng, para substituir o de camomila que ele habitualmente toma.

Ou então, e esta teoria é mais mazinha, mas nem por isso menos realista: eu acho que ele foi capado em pequenino.

Estão a ver, capado, como se faz aos porcos e aos gatos para não procriarem?

E depois os animais ficam mansos e tranquilos e não incomodam ninguém nas fases do cio... Que não é o caso dele, claro, que incomoda e não é pouco!

Oh senhor Vítor Louçã Rabaça Gaspar (tem um nome lindo não haja dúvida) nunca lhe ensinaram em pequenino que é muito feio gozar com as pessoas no geral e com as menos favorecidas do que nós em particular?

Está ainda em muito boa idade para aprender e aproveite e aprenda também a fazer continhas, que também já lhe dava jeito.

Então diga-me lá: É ou não verdade que as receitas fiscais diminuiram desde que começaram as medidas de austeridade impostas por si a mando da troika?

É ou não verdade que o desemprego continua a aumentar em flecha e que as falências da sempresas e das pessoas particulares aumentaram e não foi pouco?

É ou não verdade que as contas do orçamento e o défice não têm cura e estão irremediavelmente em derrapagem? Está a ver, tipo carro com pneus carecas em dia de chuva!?

Então explique-me lá, como se eu fosse uma criança de cinco anos, porque é que continua a insistir no erro?

Quando o nosso carro derrapa por causa dos pneus vamos a correr mudá-los, não é verdade? Então se o senhor já percebeu que a sua formula mágica não está resultar porque é que não muda de feitiço?

Tire lá a tampinha do seu caldeirão e saque de lá outro tipo de fórmula que definitivamente assim não vmaos a lado nenhum.

E o pior é que se até há pouco tempo ainda tínhamos esperança de sermos comprados por Espanha, agora essa já foi. Os espanhóis estão tão de tanga como nós, com a diferença que a crise deles há-de ser muito mais cheia de salero que a nossa.

As nossas hipóteses agora seriam os angolanos, que duvido que ainda nos queiram ou os chineses que não são pessoas de fazer maus negócios, portanto...

Estamos encalhados nesta ponta da Europa e por isso temos que começar a pensar na nossa vidinha.

Pense que a continuar assim daqui a uns anos não vai ter contribuintes para esmifrar, porque já morremos todos ou de fome ou de puro tédio de ouvir as suas sempre tão animadas declarações.

Vamos chegar a um limite em que não vale a pena ir trabalhar porque o que se ganha não justifica o levantar da cama, gastar água com o banho, ter roupa de trabalho, comprar o passe e etc.

Por este andar o melhor é deitarmo-nos e esperar que a morte por fome não seja demasiado dolorosa.

Levante os olhos dos papéis que tem à frente e olhe as pessoas quando falar com elas, é o mínimo que a boa educação exige.

Ah e tire as palas que tem de lado e que só o deixam ver a troika e Angela Merkel e olhe à sua volta.

Olhe com olhos de ver e ouça com ouvidos de ouvir e sinta, se ainda for capaz o ódio que está a criar nas pessoas, o desalento de quem quer trabalhar e não pode, de quem quer alimentar os filhos e não tem que lhes dar. 

Pense que até o Salazar nivelou o preço do pão e do leite por serem alimentos básicos e que ele, com todos os defeitos do regime construiu escolas primárias que neste momento estão a fechar porque não há crianças para as frequentar, porque hoje em dia ter filhos é um luxo. Ai esqueça esta parte que acho que existe um imposto sobre artigos de luxo e ainda nos começa a cobrar x por filho.

Não seja como os burros da minha terra e tome consciência do Portugal à sua volta.

Se for um ser humano e não um andróide, como eu desconfio que seja, vai ficar horrorizado.

Negoceie lá com a alemã e com os troikas um aumento do prazo ou seja lá o que for e faça as coisas com calma. 

Nós todos sabemos que a porcaria da dívida existe e que quem as tem tem de as pagar, mas negoceie um alargamento do prazo de pagamento do crédito. Se é assim tão bom há-de conseguir.

Permita-me só mais um conselho: tenha aulas de dicção e já agora umas de expressão corporal também não lhe faziam mal.

Sempre lhe dava alguma energia que bem precisa.

No fim de tudo isto tenho mesmo pena de si. 

Está a estranhar?

Não estranhe, tenho sempre pena das pessoas desfavorecidas e o senhor é muito desfavorecido. Nasceu  com pouco cérebro, sem coração e sem bom senso.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D