Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Eu e o mundo

As minhas impressões, opiniões e outras coisas acabadas em ões sobre o mundo, pelo menos o mais próximo de mim.

Eu e o mundo

As minhas impressões, opiniões e outras coisas acabadas em ões sobre o mundo, pelo menos o mais próximo de mim.

O "tôtô" da minha filha

 

A minha filha mais nova nunca gostou de chucha. Na verdade ela chorava tanto que acho que foi mais nunca conseguir tê-la na boca o tempo suficiente para perceber se gostava ou não.

Mas gostava e muito de um pequeno cobertor em tom lavanda e branco, que quando começou a andar arrastava atrás dela para todo o lado. E quando digo arrastava não estou a exagerar. Ela andava pelo quintal da nossa casa com o cobertor preso por uma das pontas e não largava por nada. Eu costumava chamar-lhe o Linus, aquele miúdo dos desenhos animados do Snoopy, que também tinha um cobertor de que era inseparável.

Foi a primeira palavra que aprendeu a dizer: “tôtô”, para grande desgosto da mãe, que sou eu. A segunda palavra foi “minha”, só para reforçar o sentido de posse do cobertor: “Tôtô é minha”, resmungava sempre que alguém se metia com ela e lho tentava tirar.

A minha filha não era nada dada a brincadeiras. Tinha um mau feito enorme e franzia a testa a toda a gente que não conhecia. O oposto da irmã que era a simpatia em forma de bebé. Ainda hoje a Inês é mais difícil de “dar confiança” às pessoas do que a Sara.

O “tôtô” precisava, e muito, de ser lavado frequentemente. Às vezes já nem se percebia bem de que cor era, mas ela recusava-se completamente a largá-lo. Era preciso esperar que adormecesse, tirá-lo com muito cuidadinho, conseguir secá-lo e voltar a pô-lo no lugar antes que ela acordasse. Logo da primeira vez que acordou sem ele percebi que ela fazia concorrência a qualquer sirene de bombeiros e nunca mais arrisquei.

Também tenho que confessar que a culpa do vício com o “tôtô” foi minha. Ela era difícil de adormecer e começou a apanhar o hábito de segurar uma madeixa do meu cabelo entre os dedos indicador e polegar e esfregar. Eu odeio que me mexam no cabelo, mas odeio mesmo. Complica-me com o sistema nervoso, fico mesmo irritada. Só vou ao cabeleireiro em último recurso. Comecei por lhe pôr uma fralda de pano na mão, mas quando começou o outono, substitui a fralda pelo cobertor e ela afeiçoou-se a ele de tal maneira que só o largou já bem crescidinha.

Para onde quer que nós fossemos o “tôtô” ia connosco. Quando foi para o infantário ainda o levou durante um tempo e quando deixou de o levar, assim que chegava a casa matava saudades com muitos abracinhos.  

Ela agarrava um dos cantinhos e esfregava entre o polegar e o indicador e era assim que adormecia, ou simplesmente que se consolava quando estava triste ou em situações diferentes em que precisava de um aconchego.

A primeira vez que andou de avião, para umas férias no Brasil, já tinha uns sete, oito anos e ficou na dúvida sobre levar o cobertor com ela. Tinha medo que gozassem com ela por causa disso.

Convenci-a a meter o cobertor na mochila que ia levar no avião, onde tinha também uns livros para se entreter. Pouco tempo depois de levantarmos voo, ela abriu discretamente um bocadinho da mochila, meteu a mãozinha lá dentro e aconchegou-se com o seu fiel cobertor.

Um dos hospedeiros de bordo reparou e perguntou-me e eu lá lhe expliquei. Muito simpático ele disse-lhe para não ter vergonha, porque ele próprio também tinha um e estava tristíssimo por se ter esquecido dele em casa. Muito atencioso. Ela ficou tão feliz. Não sei se acreditou, mas ficou feliz e isso é que importa.

Aos poucos foi largando o cobertor, que foi guardado e que ainda hoje vive cá em casa. Tem quatro buraquinhos nos quatro cantos onde ela “coçava” mecanicamente sempre que adormecia, via televisão ou simplesmente queria aconchego.

O “tôtô” faz parte do crescimento da minha filha e hoje lembrei-me dele por causa de um post da Tânia Ribas de Oliveira no seu blogue.

Os blogues foram uma excelente invenção. A memória das mães não é infinita e todos os miúdos gostam de saber como eram e de escutar as suas histórias de bebés. Estes bebés de agora daqui a uns anos vão adorar ler os posts das mães.

Eu já não tenho bebés mas adoro seguir alguns destes blogues que me trazem à memória muitas histórias que se vão desvanecendo com o tempo. E acho que vou começar a registá-las. Nem que seja para que os meus netos saibam como eram as mães. 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D