Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Eu e o mundo

As minhas impressões, opiniões e outras coisas acabadas em ões sobre o mundo, pelo menos o mais próximo de mim.

Eu e o mundo

As minhas impressões, opiniões e outras coisas acabadas em ões sobre o mundo, pelo menos o mais próximo de mim.

The final countdown

E 2012 está, como se diz na minha terra, a dar as últimas.

É nesta altura que se começa a fazer os tão famosos balnaços: se o ano foi bom ou mau, se conseguimos alcançar os nossos objetivos, se...

E também quando toda a gente procura desesperadamente uma festa onde passar a meia noite de 31 de dezembro para 1 de janeiro, e onde se possa divertir o mais possível. 

Este ano estou sem a menor pachorra para me produzir com hora marcada, me enfiar numa festa, onde nada me garante que me vá realmente divertir e no geral sem vontade de sair de casa de todo. Se me perguntarem, eu quero mesmo é umas leggings, uma camisola confortável, uma bela almofada no sofá, uma garrafa de espumante, as doze passas e se o meu marido quiser ficar sentadinho ao pé de mim tudo bem, e se não quiser tudo bem também. 

Não me apetece simplesmente estar no meio das pessoas, dar e receber beijinhos e votos mais ou menos sincero-hipócritas de Bom Ano, e etc.

Não me apetece, pronto. Sinto-me muito antisocial, muito sem vontade de nada, sem energia...

Começo verdadeiramente a achar que é a idade a dar conta de mim.

Tenho-me lembrado muito do meu avô nos últimos dias. Lembro-me sempre dele, mas nos últimos dias tem sido mais frequente e tenho muitas saudades dele. Dou por mim a pensar se ele concordaria com as minhas opções para a minha vida, se teria orgulho em mim, o que teria para me dizer, que conselhos me daria...

O meu avô morreu quando eu tinha doze anos, tenho quarenta e seis e sinto cada vez mais saudades dele. Ele faz-me cada vez mais falta.

É mentira que o tempo cura tudo. A saudade não tem cura e pelos vistos aumenta com o tempo. O meu avô deixou-me muita saudade, não me despedi dele e isso dói-me até hoje. 

Eu sei, sempre soube, sinto que ele toma conta de mim, de alguma forma, mas tenho muitas saudades de ouvir a voz dele, de ver as rugas do seu rosto, de olhar para os olhos azuis do meu avô.

Nesta altura de balanços, eu também faço os meus.

Será que o meu avô concordava com o que eu fiz nesta ou naquela situação, será que estava orgulhoso de mim por isto ou por aquilo, será que?

Avô, continua por favor a manter-te perto de mim, a olhar por mim.

Tenho muitas, muitas saudades tuas e tenho uma mágoa muito grande de não me ter despedido de ti. 

Qaundo tu morreste eu já não te via há uns meses e não fui capaz de olhar para ti no teu caixão. Se fosse hoje, se eu soubesse como era importante, teria olhado, ter-me-ia, ainda que em silêncio despedido de ti.

Beijinho grande, avô Álvaro. 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais visitados

    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub