Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Eu e o mundo

As minhas impressões, opiniões e outras coisas acabadas em ões sobre o mundo, pelo menos o mais próximo de mim.

Eu e o mundo

As minhas impressões, opiniões e outras coisas acabadas em ões sobre o mundo, pelo menos o mais próximo de mim.

As Sombras de Grey

Andei durante muito tempo a resistir a comprar a trilogia da E L James. Contrariamente aos meus príncipios até li os resumos na parte de trás dos livros e achei que estava ao nível da Nora Roberts. Não que eu tenha alguma coisa contra a Nora Roberts. Tenho imensos livros dela, que gosto de ler nos aviões, na praia e quando preciso de "desligar o cérebro". Funciona para mim como as telenovelas, estão a ver?

No dia do livro fui fazer uma visita à Betrand do shopping em frente à minha casa e entre uma coisa e outra acabei com o primeiro livro da trilogia de Grey na mão. E pensei cá para comigo: "Leio este, percebo que não tem nada a ver comigo e arrumo a questão".

Portanto rumei a casa com um saquinho onde, entre outras coisas, vinha "As Cinquenta Sombras de Grey".

Comecei a lê-lo e a perceber que ia ter dificuldade em parar antes de terminar o volume, que, só para que conste tem 547 páginas. Em menos de 24 horas e com as tarefas habituais do dia-a-dia de uma mãe, mulher, trabalhadora, cozinheira e etc, estava lido. Pior, estava ansiosa pelo volume seguinte. 

Racionalmente não conseguia perceber que raio é que me agarrava à história daquela forma, mas a verdade é que estava agarrada. e como até sou rapariga de pouquissimos vícios achei que não vinha deste mal ao mundo.

Lá rumei novamente à Bertrand e comprei os dois volumes seguintes. Por esta altura já tinha percebido que não me ia ficar pelo segundo volume, portanto mais valia despachar logo a coisa de uma vez. 

As 572 páginas de "As Cinquenta Sombras Mais Negras" voaram diante dos meus olhos e passei rapidamente às 621 páginas de "As Cinquenta Sombras Livre" e quando terminei dei um daqueles suspiros profundos, que só as mulheres sabem dar e continuei sem perceber porque raio me tinha viciado tão rápida e furiosamente na trilogia.

Tenho andado a ponderar neste assunto, nada obsessivo, entenda-se, mas a ponderar, que eu gosto de perceber as coisas.

E começo a achar que já percebi, ou pelo menos em parte.

O Grey dos livros é um homem que é apresentado e descrito como o sonho de qualquer mulher (pronto, eu tenho 46 anos e já passei um bocadinho a fase de sonhar em conhecer o George Clooney, mas somos sempre mulheres, até morrermos...). É uma brasa, o Grey, note-se. É rico, não se poupa a esforços para agradar e tem um lado obscuro que é sempre interessante. Como diz um amigo meu, as mulheres apaixonam-se pelo príncipe encantado, mas vão para a cama com o lobo mau". E o Grey é um dois em um - príncipe encantado de um lado e lobo mau do outro.

Mas acima de tudo tem uma coisa a que mulher nenhuma resiste - imensas coisas para mudar. Certo?

E ele muda ao longo dos três volumes, até se tornar num homem mais ou menos normal. E muda exatamente pelo motivo porque todas nós queremos que os nossos homens mudem - por amor.

O Grey vai resistindo, mas lentamente vai mudando porque está apaixonado e não consegue viver sem a rapariga. 

E isso é o sonho de qualquer mulher, que um homem se apaixone por ela de forma a fazer tudo para lhe agradar. É isso que andamos à procura, ainda que inconscientemente, ou não tão inconscientemente quanto isso...

E portanto a leitura de três volumes que totalizam uma maravilha de 1740 páginas(ufa) envolvem-nos porque estamos a ler aquilo que queremos viver. 

Claro que as cenas de sexo também ajudam. As dos livros, claro. Pronto, as da vida real ajudam muito, mas não é disso que estamos a falar. 

As cenas dos livros são quentes, envolventes e mesmo quando metem os objectos do quarto do prazer (deve ser interessantíssimo viver numa casa com um quarto destes), e apesar do receio que alguns deles possam inspirar a curiosidade é sempre mais forte do que o medo.

Quem é que não gostava de conhecer um Christian Grey? Acho que todas as mulheres adoravam. Mesmo as que são casadas e felizes como eu. É aquela ideia da aventura, do proibido e a ideia de se ser amada para além do limite do razoável. 

Interessante esta trilogia de Grey. 

E L James há mais destes na manga? Manda cá para fora que sou rapariga para me voltar a deixar convencer. 


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D