Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Eu e o mundo

As minhas impressões, opiniões e outras coisas acabadas em ões sobre o mundo, pelo menos o mais próximo de mim.

Eu e o mundo

As minhas impressões, opiniões e outras coisas acabadas em ões sobre o mundo, pelo menos o mais próximo de mim.

Esta greve dos professores...

Eles protestam. Nós pagamos.

Desenganem-se os mais crédulos. Esta grevezinha dos professores do secundário vai sair-nos muito cara. Os exames vão ter de ser repetidos por milhares de alunos, o ministério vai fazer novos exames, imprimir novos exames, fechá-los em novos envelopes…

Estão a ver o resultado de tudo isto? Mais um impostozeco ou outro para atenuar o percalço financeiro que a greve dos docentes provocou.

Eu não grandemente a favor das greves no geral. Não tenho alma de sindicalista e acho que as pessoas crescidas resolvem as coisas sem andarem aos gritos no meio da rua com cartazes a insultar seja lá quem for. Mas isto sou eu. Nunca fui sindicalizada e nunca fiz greve. Não tenho particular orgulho em nenhuma das duas coisas. Simplesmente nunca aconteceu.

Mas os senhores professores que estavam cobertos de razão até ao dia de hoje, perderam-na ao hipotecarem o futuro de milhares de miúdos que estão doidos para se verem livres dos exames, para fazerem as suas candidaturas à faculdade e para começarem a peregrinação de festivais de verão do costume.

O problema aqui não passa só pela redução das férias dos alunos, mas eventualmente também pela redução das férias dos pais, que convenhamos, estão, como todos, nós a precisar desesperadamente de uns diazinhos ao sol, de papo para o ar, com a lancheira ao lado. (Os almoços nos restaurantes de praia começam a fazer parte de um passado cada vez mais longínquo).

Mas não só as férias. Quem já despachou filhos para a faculdade sabe que é um processo que envolve alguma logística. Arranjar casa, alugar casa, pedir água, luz, gaz, internet e televisão, limpar e mobiliar casa, transportar e arrumar todas as tralhas que os adolescentes precisam para sobreviver, etc. é um processo que envolve alguns (bons) dias até à sua conclusão.

Este atraso nos exames pode não ser nada bom para o estado de espírito dos pais que já começam a ver no horizonte excursões à cidade para onde vão despachar o filho, tentar encontrar alojamento a um preço razoável, seja lá o que isso for, e umas dores de costas à conta de carregar a tralha para o alojamento respectivo. Uma tragédia, garanto-vos eu, que no ano passado alojei duas e bem sei as nódoas negras e dores de costas que me acompanharam durante semanas.

Acima de tudo acho que a chantagem, o único nome que consigo dar à atitude dos professores, nunca é a melhor forma de lutar pelos nossos direitos. Seja em que circunstância for. E quando essa chantagem envolve o futuro de terceiros, torna-se ainda mais sórdida.

Já sei que vou ser achincalhada e provavelmente acusada (novamente) de fundamentalista.

Lamento, mas esta é a minha opinião. Os professores não estão a viver pior nem melhor do que o resto dos portugueses. Na verdade, estamos todos a viver bastante mal, todos no mesmo barco, que parece prestes a afundar-se.  Portugal é neste momento uma espécie de Titanic depois de ter encalhado no icebergue. Até temos o mar, só nos falta o icebergue.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D