Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Eu e o mundo

As minhas impressões, opiniões e outras coisas acabadas em ões sobre o mundo, pelo menos o mais próximo de mim.

Eu e o mundo

As minhas impressões, opiniões e outras coisas acabadas em ões sobre o mundo, pelo menos o mais próximo de mim.

Mais uma daquelas coisas...

... que me fazem muita confusão.
Agora parece moda os pais que perdem os filhos escreverem livros sobre o assunto, em que expõem, com o
pretexto de ajudarem pessoas em igual situação, a sua dor, a forma como lidam com ela e como conseguem sobreviver, porque depois de perder um filho, penso que só se consiga sobreviver, não viver.

Não consigo sequer chegar perto de imaginar o que deve sentir um pai ou uma mãe quando perde um filho, e acho que ninguém, a não ser que tenha passado por isso o consegue imaginar, mas mesmo assim faz-me alguma confusão.
"Quando perdemos o marido ou a mulher ficamos viúvos, perdemos o pai ou a mãe, ficamos orfãos, quando perdemos um filho não ficamos nada... Não existe uma palavra para uma mãe ou para um pai que perde um filho!"
Esta frase foi-me dita por uma grande senhora, de quem eu gosto muito, que perdeu um filho e que como tantas
outras mães teve de aprender a viver com essa dor e essa perda diariamente.

Percebi a sensação de vazio que deve ser dentro do coração de uma mãe, é que é tão contranatura que nem existe uma palavra no dicionário. É uma coisa que não devia acontecer, até porque acredito que qualquer pai ou mãe a quem fosse dada escolha preferia tomar o lugar do filho.
Por isso não percebo que pessoas conhecidas, ou anónimas, que perderam filhos se predisponham a falar
publicamente sobre isso e a partilhar com o mundo uma dor que, para mim, devia permanecer no íntimo de quem a sente.

Mas, lá está, somos todos diferentes e ainda bem que assim é.
Entre esta semana e a próxima estarão à venda dois livros, que vão estar incluídos na categoria de autoajuda,
de um pai e de uma mãe que perderam os respetivos filhos.

O primeiro "Desistir Não é Opção" é escrito por Paulo Sousa Costa, que perdeu o filho Paulinho, de apenas seis anos, vítima de uma leucemia galopante e que está prestes a ser novamente pai de uma menina.
Ainda não li o livro, nem sei se terei coragem para tal, até porque já me fartei de chorar só a ler as páginas de pré-publicação que saíram na imprensa. Fiquei chocada com o que li, são frases avassaladoras e dolorosas de um pai que sentiu o vazio deixado pelo filho, que não sabe como vai fazer para amar a bebé que nascerá em breve (porque nenhum filho pode substituir o outro), que pede desculpa à companheira por não conseguir voltar a ser a pessoa que era.

Depois vi a entrevista do Paulo ao Manuel Luís Goucha e fiquei chocada com o vazio do seu olhar, com a imensa dor que deixa transparecer. Quando a entrevista terminou eu estava a chorar e como eu muitas das pessoas que assistem em direto ao programa e aposto que muita gente em casa. Ninguém que tenha filhos consegue ser indiferente a uma entrevista destas.

O segundo "Nunca Te Esquecerei", é escrito por Filomena Vieira, a mãe do cantor Angélico, que morreu no ano passado vítima de um brutal acidente de viação.
Ainda não li nada deste segundo livro e muito francamente nem sei se terei coragem para tal.
A atitude dos dois pais chocou-me de alguma forma, pois desde a morte dos filhos sempre se mostraram recatados nas emoções, especialmente a mãe de Angélico. O Paulo por causa da sua profissão acaba por ter sempre alguma exposição pública, com ou sem vontade do próprio, embora acredite que muitas vezes sem...
Não parece coerente com a postura dela que agora resolva de repente expôr-se aos olhos e corações do mundo, ainda não teve sequer coragem para regressar ao trabalho...
Como disse no início as pessoas são todas diferentes e ainda bem que o são. Por isso, por serem diferentes, têm
formas diferentes de encarar a dor e de viver com ela, de fazer a catarse que lhes permita seguir em frente, e por isso, talvez encontrem algum conforto no facto de pensarem que podem ajudar outros pais na mesma situação a perceber que não estão sozinhos, que a sua dor pode ser entendida por pessoas que passam pela mesma experiência, por pessoas que também deixaram de ter um adjetivo que os defina.

Se bem que o adjetivo deve continuar a ser pai ou mãe, porque, e apesar de o filho deixar de estar presente fisicamente, pai e mãe são "profissões" para a vida. Uma vez mãe, para sempre mãe, é daquelas coisas que nunca se deixam de ser. É o tal emprego para toda a vida.
Mas deve ser tão difícil, deve doer de uma maneira...
Quando um dos nossos filhos está doente, quebra um osso, arranca o dente do siso, tem uma nota menos boa e sofre por isso, a mãe sofre sempre em dobro. Qualquer dor dos nossos filhos nos dói em dobro, perder um...
É o pior dos pesadelos transformado em realidade. O confronto deve ser... brutal, violento, devastador, esgotante,
não sei, felizmente não consigo encontrar as palavras.

Nem gosto muito de pensar nestas coisas, embora já tenha sido confrontada com pessoas próximas que passaram por esta situação e que me deixou sempre assustada.
O vazio de expressão que vi nos olhos das mães que conheço que perderam filhos, a violência e intensidade da dor que se podia ler nos rostos, na postura, sempre me deixou sem palavras, sem reação, porque o que é que se pode dizer para consolar alguém que perdeu uma parte de si?
"Sinto muito. Lamento a sua perda". Não me parece que sirva para a ocasião, na verdade não me parece que existam palavras que sirvam para a ocasião. Espero muito sinceramente que os abraços consigam transmitir alguma coisa, porque são o meu recurso nestas situações em que não consigo pensar em nada para dizer, logo eu
que tenho sempre tanta coisa para dizer...

As palavras, tantas vezes grandes, são sempre pequenas perante um pai ou uma mãe que perde um filho. Acho que o próprio mundo se torna demasiado pequeno para essa dor.

Também vi a entrevista da Filomena Vieira ao Goucha e também quando terminou eu chorava. Percebi o porquê do livro, foi a forma que encontrou para continuar a dizer boa noite ao filho, de continuar a estar em contacto com ele. A forma que encontrou de o homenagear. Percebi um bocadinho.

O resto, a dor é impossível de perceber.

Quero terminar pedindo desculpa aos pais e mães que perderam filhos e lerem isto... Por não conseguir encontrar as palavras para descrever o que gostava de lhes dizer!

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D