Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Eu e o mundo

As minhas impressões, opiniões e outras coisas acabadas em ões sobre o mundo, pelo menos o mais próximo de mim.

Eu e o mundo

As minhas impressões, opiniões e outras coisas acabadas em ões sobre o mundo, pelo menos o mais próximo de mim.

Tribos

Acompanhada de duas amigas fui ver a peça Tribos, com o brasileiro António Fagundes à cabeça de um cartaz, que inclui o filho dele e mais uns quantos atores completamente desconhecidos para o público português.

Se não tivesse lá ido, não saberia se gostava ou não, mas como fui, já posso dizer - não gostei.

Começando pelo princípio, o ar condicionado do Tivoli estava avariado no dia em que estive lá e o ambiente abafado e pesado, embora os leques oferecidos à entrada ajudassem, quase fazem adormecer uma pessoa durante os cerca de 90 minutos da peça.

A história de Tribos gira à volta de uma família onde o patriarca, António Fagundes, privilegia a cultura e a educação e questiona o rumo dos três filhos, incluindo um surdo (o filho do Fagundes), que foi ensinado a falar e a ler os lábios para não se sentir excluído. Para além do menino surdo existe uma rapariga que anda à procura do seu rumo na vida, um outro filho, que regressa a casa dos pais depois do final de uma relação amorosa e que funciona a maconha (droga) e uma mãe, a mulher do Fagundes, que descobre a sua vocação para a escrita. Ou não… Para além disso ainda entra na peça uma outra atriz, proveniente de uma família de surdos, embora ela não o seja, e que acaba por se envolver com os dois irmãos.

A história é um bocadinho esquizofrénica, ainda que um bocadinho realista, mas a realidade é esquizofrénica, como todos sabemos,  descrevendo a parte disfuncional de uma família, certamente igual a algumas que existem pelo mundo.

Honestamente não gostei. Fiquei desiludida com o trabalho do Fagundes pai, que se limita a cirandar pelo palco e a dizer meia dúzia de frases, com alguns palavrões, um bocadinho gratuitos, à mistura, mas acima de tudo, fiquei desiludida com a fraca qualidade do texto, seguramente com pretensões intelectuais, quiçá fora do alcance da minha inteligência, mas que não me pareceu, de todo, grande coisa.

O som não é muito bom e o facto de os atores serem brasileiros leva a que seja muito complicado acompanhar o texto, mesmo para mim, que estou bastante habituada ao ritmo de conversa brasileiro.

Durante a peça, onde, sem vergonha, posso confessar que quase adormeci, comecei a temer pela minha inteligência e capacidade de absorver algo mais profundo do que o universo onde os meus dias, por imposição profissional, se desenrolam (imprensa social), mas no final, e escutando os comentários das pessoas que iam saindo e caminhando pela Av. da Liberdade abaixo, acabei por perceber que não tinha sido a única.

A peça é fraca. Os atores são fracos. A dicção de alguns deles, e esquecendo o facto de serem brasileiros, é péssima e o Fagundes, o único nome conhecido entre nós, via telenovelas brasileiras, a única coisa que fez foi emprestar o nome à peça para dar um empurrãozinho ao filho. Essa parte eu até percebo, temos que olhar pelos nossos e o filho dele é o único que se safa naquilo tudo.

Nós, os portugueses, no geral, temos a mania que tudo o que vem de fora é bom. Que os atores estrangeiros é que são e que os de cá são todos péssimos. Lamento, mas qualquer um dos nossos atores mais fraquinhos faria bem melhor do que aquilo a que assisti no palco do Tivoli.

O Fagundes, ao que consta, que eu não tenho o hábito de acompanhar novelas brasileiras, é bom nas novelas da Globo. A avaliar pelo seu desempenho na peça devia-se ficar por elas, as novelas, claro, que para o teatro não me parece que leve grande jeito.

Salvou-se a noite, que estava fantástica e bem melhor que a maioria das deste, quase inexistente, verão; salvou-se a companhia, que foi boa, felizmente, e salvou-se o sair da rotina trabalho/casa/trabalho, que ainda por cima fica tudo no mesmo local. Mas a peça, desculpem, mas já vi tão melhor feito pela prata da casa.

Vamos deixar de enaltecer tudo o que vem de fora e de denegrir os nossos. Os atores portugueses são mestres no palco. Os brasileiros são nas novelas. Cada macaco no seu galho e, por mim, e na minha modesta opinião, o Fagundes devia ter ficado no galho dele. Não gostei.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais visitados

    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub